27 novembro 2005

Do riso e do esquecimento


G. elevou-se da cadeira da classe executiva, a meio da noite sobre o oceano, pela janela pequena rezou à lua, acabou o copo de Cliquot, viu pela ultima vez as listas da camisa da hospedeira, abandonou os auscultadores e o piano de Jarrett, atirou o diário para o chão. A sua camisa de riscas rosas alastrou um vermelho vivo de tinta permanente, a tinta permanente, a última ideia de eternidade possível.

Depois abriu a porta de segurança do avião.


10 comentários:

outros temperos disse...

Teria sido "La Grande Dame"? que desperdício...

jp disse...

:p isto está bom está...

POLYPHEMUS disse...

JP
Mas isto não fica por aqui! Há mais com o destino traçado. Acho q ainda hoje vou matar um conde do Séc. XIII

Oh OT, quem á Grande Dame ? A Madonna, não? :)

outros temperos disse...

La Grande Dame c'est la "creme de la creme" da Veuve Clicquot.

POLYPHEMUS disse...

Não gosto de champagne com quereme

outros temperos disse...

e quereme sem champagne? ;)

MRF disse...

Veuve Clicquot, Kundera, Keith Jarret... merda, e uma tipa com tão bom gosto atira-se do avião! Só ficam os das Quintas de celebridades...:(
Carlos, faz-me o favor de mudar de alvo.

:)
bj

POLYPHEMUS disse...

MRF, nem precisas dizer.

No tiro ao alvo convém mesmo mudar, que o centro fica todo esburacado em menos de um fósforo ;)

Anónimo disse...

Looking for information and found it at this great site...
Am acyclovir 401k levy county Griswold dutch ovens for sale Cpus leistung vergleich zu p4m p4 Conlog car alarm Adipex diethylpropion didrex tenuate

Belém Neto disse...

Gostei do que escreve, e de como descreve!