06 abril 2006

Comboio azul, comboio azul, comboio azul, comboio azul

Desceu do comboio e sorriu para mim, como só as pessoas felizes fazem, deixando o corpo falar, trazendo uma frase ou duas a sair dos lábios entreabertos, deixando os olhos subir para além do sublime. A mão enluvada endireitou a saia, o sorriso tornou-se embaraçado, eu deixei que os outros olhares me invejassem, enquanto o meu braço direito falou sobre o seu ombro envolto pelo tweed confortável.

Há uma felicidade escondida numa viagem vivida em movimento e em espera. Fazendo um poema público e púdico num movimento único de um encontro sonhado.

8 comentários:

Luis Villas disse...

Palavras diferentes mas de bom gosto.
Parabens!

n.y.n disse...

"Há uma felicidade escondida numa viagem vivida em movimento e em espera. Fazendo um poema público e púdico num movimento único de um encontro sonhado."


pois há e é a minha viagem também . e é o meu poema também .

foi muito bom ler estas palavras .

e relê-las vai ser ainda melhor

sempre que voltar...

katraponga disse...

Muito bom mesmo, sr. Carlos. :)

POLYPHEMUS disse...

Thanks Mr. D. ! You are not so bad yourself :))

mrosariof disse...

carlos, eu hoje já vi a template do Divas ficar às bolinhas verdes! já cliquei num link que deixaste e encontrei a possibilidade de criar um novo blog... mas nenhum dos 12 textos! hoje não posso mais! ;)

eu hoje descia do combóio e não via ninguém. o corpo falaria qqr coisa... mas duvido que sonhasses com isso! :)

por outras palavras, ó oceânico, selecciona o teu texto, de preferência um com um cenário azul marítimo, para que, caso ganhes a curta metragem, podermos todos passear até bem longe!

POLYPHEMUS disse...

Deixei o link no m-momento histórico em que oseu b-blog ficou às b-bolas ! Ora bolas, acho que não concorro e ofereço uma viagem (vulgo, voltinha)no meu veleiro aos primeiros 5. Aceita, juri?

MRF disse...

O júri aceita! :)

bj

katraponga disse...

Pá, não sou do júri mas uma voltinha de veleiro cai sempre bem na Primavera. ;)